Horizontes

K'n-yan, parte 1

Vêem-se pela primeira vez as Cavernas Azuis, e os habitantes de Tsath

A descida

  • Cabala desce por uma escadaria imensa em um túnel de pedra, com algumas estátuas em alcovas aos lados. Depois de muito tempo, a escadaria termina e o túnel se abre em uma ampla caverna, a parede atrás deles na verdade um pilar. A caverna é iluminada por inteiro por uma luz azulada, que parece emanar da própria atmosfera, fazendo com que a distância se perca em uma névoa de luz.
  • O Sr Fonseca indica um caminho até a cidade dos que habitam abaixo. Ele diz que eles devem descer mais, mas os caminhos estão fechados, e os que habitam lá foram os que fecharam. Depois, se despede, e sobe novamente as escadas.

Elemental de terra

  • O caminho é extremamente longo, e passa por uma vala com centenas de metros de profundidade e largura. Greg pede a Luna para que converse com “o espírito do chão”, para que torne o caminho mais curto para eles.
  • Um Elemental de Terra os ajuda, criando uma rampa que desce suavemente até o fundo da vala, em troca de uma das últimas baterias de Quintessência de Greg.

Passeando pela fissura

  • Ao longe, avistam uma criatura curiosa passando apressadamente. Dona se perde nas rugosidades da caverna. Os outros decidem parar e esperar por ela.

Os “unicórnios”

  • Enquanto esperam por Dona, Greg, Luna e Manoel vêem um bicho meio homem, meio unicórnio se aproximar. Ele parece curioso, e chama outros semelhantes.
  • Dona chega, e consegue se comunicar mentalmente com as criaturas, que parecem ter sido treinadas para isso. Elas dizem que vão chamar o mestre.
  • As criaturas são substituídas por outras semelhantes, mas estas carregam em suas costas cadáveres humanos segurando lanças; elas ficam paradas, barrando o caminho e esperando.
  • Quando avançam em direção às criaturas, o grupo descobre que os cadáveres não estão mortos, e estão de fato cavalgando os homens-unicórnios. Os cadáveres voltam à posição de espera assim que o grupo recua o passo; e começa o jogo de espera.

Os cadáveres

  • Sem paciência para esperar, o grupo sugere que seja levado ao mestre. Os homens-unicórnios ficam confusos, se comunicam com outros distantes por meio de berros repetidos e ecoados à distância, e concordam.
  • Dois dos homens-unicórnios sem cadáveres nas costas se oferecem de carona. O grupo passeia montado durante meia hora, e ao longe avistam uma construção como uma fortaleza na parede oposta da fenda, para onde se dirigem.
  • Nas escadarias subindo para a fortaleza, passam por vários cadáveres: eles parecem montados a partir de pedaços, ou mutilados e depois recompostos e reanimados, e parecem ser a força de trabalho do local.

O homem-espírito

  • Os magos são levados até uma sala, onde são deixados para esperar sozinhos. Depois de um período curto, um homem azul e brilhante atravessa a porta oposta da sala, e se solidifica logo em seguida, perdendo seu brilho. Ele tem uma aparência indígena das tribos norte-americanas; se veste em roupas claras de tecido grosso e com adereços metálicos nos pulsos e pescoço.
  • O homem se apresenta como X’clo’tlan, e se mostra muito curioso sobre o grupo. Ele se comunica com eles telepaticamente, e quando lhe contam que desejam apenas passagem para as cavernas mais abaixo, se propõe a levá-los para sua cidade, para falar com os Anciões. Lá, o grupo espera encontrar uma última passagem aberta.
  • Eles iniciam sua viagem até a cidade subterrânea de Tsath, montados nos homens-unicórnio e seguindo X’clo’tlan, através de uma planície vasta e rochosa, até um novo abismo. Desta vez, não é uma vala atravessando a caverna, mas uma vasta depressão, se extendendo até o limite da visão. Ao pé da parede, inúmeros cadáveres trabalham numa área pantanosa, no que parece ser um plantio. À direita, um rio corta a planície, entrando em uma fenda no paredão; à esquerda, a planície se torna novamente rochosa, e à distância se destaca um pilar monumental, do chão ao teto da caverna, com quase um quilômetro de altura e algumas dezenas de largura, ao redor do qual está construída a cidade de Tsath.

Comments

Monstah Monstah

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.